Lei de proteção de dados exige atenção
Regras que entram em vigor em 18 meses demandam investimento e treinamento 24/08/2018 02:36
No dia 15 deste mês, foi publicada a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que passou a regulamentar o uso, proteção e transferência de dados pessoais, seja por meios digitais ou não. As novas regras devem mudar a forma como são tratados os dados pessoais de consumidores pelas empresas - e o seu descumprimento resultará em sérias sanções aos infratores. "A LGPD prevê que o tratamento de dados pessoais - nome, CPF, e-mail, telefone ou quaisquer outros dados que tornem a pessoa identificável - somente poderá ser realizado mediante o consentimento do titular em casos de cumprimento de obrigação legal ou quando necessário para a execução de contrato do qual seja parte o titular, além de outras hipóteses restritas previstas na lei", esclarece a advogada do escritório Novoa Prado Consultoria Jurídica, Nari Lee Cerdeira.

Ele explica que, entende-se por tratamento, toda operação realizada com dados pessoais, como as que se referem à coleta, produção, recepção, classificação, utilização, acesso, reprodução, transmissão, distribuição, processamento, arquivamento, armazenamento, eliminação, avaliação ou controle da informação, modificação, comunicação, transferência, difusão ou extração. De acordo com a advogada, o consentimento do titular dos dados poderá ser fornecido às empresas por escrito ou por outro meio que demonstre a manifestação de sua vontade, cabendo ao controlador da informação o ônus de provar que recebeu tal consentimento. "No caso de dados de crianças, devem ser tratados mediante consentimento específico e em destaque, dado por pelo menos um dos pais ou responsável legal", completa.

A empresa que descumprir a LGPD receberá desde uma advertência até a aplicação de multas de até 2% (dois por cento) do faturamento da pessoa jurídica de direito privado, grupo ou conglomerado no Brasil no seu último exercício, excluídos os tributos, limitada, no total, a R$ 50 milhões por infração. A previsão de entrada em vigor da Lei é de dezoito meses após a publicação. "Apesar do prazo aparentemente extenso para as empresas se adaptarem, as regras criadas pela LGPD exigirão investimentos e treinamentos, portanto, é importante não deixar para a última hora", aconselha Nari.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
 
http://callcenter.inf.br/