| Quinta-Feira - 25/5/2017
Pesquisar: busca:
Agora, com força total
Após fase de reestruturação, Grupo Provider vai ao mercado com apetite de novos clientes e quer crescer acima da média da atividade. Novo CEO detalha com exclusividade a nova etapa da empresa pernambucana 13/07/2013 12:12
Depois de fundamentar bem as bases internas nos últimos três anos, o Grupo Provider quer agora impulsionar seu crescimento. E as metas são ousadas. Quer crescer acima do mercado, algo em torno de 10% a 25% ao ano, nos próximos anos. Para colocar a estratégia em prática, a empresa contratou um novo CEO. Apaixonado pelo setor, Michael Roubicek foi escolhido após uma consultoria que buscava um profissional com experiência em call center, na gestão geral de empresas e que ainda tivesse, de preferência, alguma conexão com Recife. "Eu tinha os três, o que me favoreceu", conta o presidente, que decidiu voltar para a atividade pelo fato da Provider estar em um bloco intermediário, com boas perspectivas. "Tem uma história de crescimento muito boa e vem com uma percepção de futuro promissora", avalia.

Ele conta que, após viver um período de crescimento vegetativo mais focado para dentro, o grupo vai forte de novo ao mercado. A ordem é buscar novos clientes, segundo Roubicek. "O foco para os próximos dois anos é apostar naquilo que já somos forte. Ou seja, crescer no setor elétrico, onde um terço das distribuidoras de energia elétrica do Brasil são nossos clientes. Temos um portfólio de produtos que abrangem várias atividades do setor elétrico. Dá para dizer que essa é uma das nossas fortalezas. Pretendemos explorá-la e ampliá-la", afirma. Ele acrescenta que a empresa também pretende integrar mais as áreas de call center e TI para agregar maior valor e melhorar a rentabilidade. "Essas combinações são vantagens competitivas que teremos como diferencial", o CEO, que em entrevista exclusiva conta da sua experiência, como foi a ida para a Provider e quais são os planos da empresa para os próximos anos.

Callcenter.inf.br - Como foi essa volta ao setor?
Roubicek: Comecei no Safra, em 1992, no desenvolvimento de negócios. Um dos investimento do banco foi a BCP. Com isso entrei na operadora como diretor administrativo financeiro no Nordeste. Depois fui convidado para atuar como diretor de atendimento da BCP Nordeste e depois em São Paulo, onde fiquei responsável pela terceirização para a CSU. Sai em 2002 e fui trabalhar no Uol como diretor de atendimento, onde permaneci por quase quatro anos. Em seguida fui para Angola ser diretor geral da Movicel. Dois anos depois voltei ao País como country manager do LR Group. Passei ainda pelo Grupo Formitex, como diretor de projetos e desenvolvimento de negócios, e pela Tyco, como diretor geral, até receber o convite para assumir a Provider.

Como surgiu esse convite?
Apareceu por meio de uma consultoria que estava buscando um profissional com experiência em call center, na gestão geral de empresas e que ainda tivesse, de preferência, alguma conexão
com Recife. Eu tinha os três, o que me favoreceu.

O que te levou a aceitar o desafio de voltar para a atividade?
Gosto do setor. É uma atividade interessante, motivadora, agitada, com serviços 24h por dia em altíssima disponibilidade. Tem um ritmo que quem é do setor conhece e sabe que não descansa quase nunca. Além do que, a Provider é uma empresa que está em um bloco intermediário, com boas perspectivas. Tem uma história de crescimento muito boa e vem com uma percepção de futuro promissora. Aliado a isso, o Nordeste tem crescido muito. Várias empresas de call center estão deixando os grandes centros e indo para a região pelas vantagens competitivas em termos de salário.

E qual o seu desafio frente a todo esse cenário?
Como muitas empresas, o Grupo Provider viveu um momento de crescimento vegetativo - mais focada para dentro, com a crise de 2008 e 2009. Por isso, esses últimos dois anos foi um período importante de ajuste, onde teve uma evolução na área financeira, tanto na estrutura de capital, quanto nos controles internos. Foi um foco muito grande na reestruturação interna. Agora, vamos forte de novo ao mercado. A ordem é buscar novos clientes. Não estamos criando nenhuma estratégia nova. O foco para os próximos dois anos é apostar naquilo que já somos forte. Ou seja, crescer no setor elétrico, onde um terço das distribuidoras de energia elétrica do Brasil são nossos clientes. Temos um portfólio de produtos que abrangem várias atividades do setor elétrico. Dá para dizer que essa é uma das nossas fortalezas. Pretendemos explorá-la e ampliá-la. Temos também vários clientes só de call centers. Vamos continuar apostando nisso. Mas temos também um braço voltado para atividades de TI, desenvolvimento de sistemas. A ideia é integrar um pouco as áreas para agregar maior valor e melhorar a rentabilidade. Essas combinações são vantagens competitivas que teremos como diferencial. Mas minha chegada não tem por trás nenhuma mudança grande de estratégia em relação ao que vinha sendo feito. Simplesmente foi decidido que era hora de ter um foco maior em crescimento para os próximos anos.

E o que o Sr. vê para o futuro?
Não só a economia crescerá como um todo, mas ainda existe espaço para o setor evoluir. Inclusive, por conta do crescimento geográfico. O Nordeste ficou forte. Tem clientes locais que estão demandando mais atendimento. Um setor que deve aumentar a demanda para os próximos anos é o de concessões públicas. Esse processo que está começando agora com aeroportos, portos e estradas, vai continuar e isso, mesmo sem ser tão intensivo em atendimento quanto banco e telecomunicações, também irá buscar empresas de call center e BPO. Olhamos para esse cenário como oportunidade, principalmente aeroportos que são grandes demandadores de mão-de-obra em todo o tipo de atividade. Também existem nichos diferentes como, por exemplo, o setor de planos de saúde, que está em crescimento e com um maior grau de exigência do atendimento das operadora. Esse é um setor que colocamos com um grande potencial demandador de serviços para uma empresa como a nossa. Sem contar que a Anatel vêm apertando as operadoras com relação ao atendimento presencial, o que abre espaço para expandirmos também nesse tipo de atividade.


Ouça o áudio da entrevista com Roubicek

CEO conta como surgiu a oportunidade de assumir o comando

Presidente comenta sobre o que o levou a aceitar desafio

Os próximos passos da empresa sob comando de Roubicek

As expectativas de crescimento da empresa

Estratégia agora está voltada para o crescimento

O cenário do mercado para os próximos anos


Veja íntegra da entrevista na edição de junho da Revista ClienteSA

Em nova fase, após calibrar os negócios, Grupo Provider troca de CEO, investe na estratégia de conquistar novos clientes e projeta crescimento entre 10% e 25% ao ano



 


Acompanhe o que já foi publicado sobre a Provider no Callcenter

Novo CEO tem o desafio de aprimorar o potencial de crescimento



Provider conquista troféu internacional com aposta em profissionais mais experientes


Após fechar contrato no Pará, empresa anuncia abertura de 300 vagas



Com investimento inicial de R$ 3,5 mi, ampliação deixará o site com mil PAs



Grupo Provider deve crescer 16% em 2012 com a aposta em inovação, parceria e criatividade


Empresa pretende ampliar negócios por toda a América Latina



Selecionar e reter talentos e combater absenteísmo e turn over são principais desafios do RH
 
Tecnologia sem limites
Aos 16 anos, Provider comemora avanços nos formatos de interação social
 
Provider completa 16 anos
Grupo quer expandir atuação na América Latina e abrir capital na Bolsa de Valores
 
Outsourcing para agregar valor
Número de atendimentos terceirizados subiu nos últimos 10 anos
 
Tempo de atendimento 43% menor
Com o software Attendance, Provider garante aumentar em 25% a satisfação do cliente
 
Provider realiza encontro de gestores
Empresa apresenta resultados de 2011 e metas para os próximos anos
 
Call centers se instalam no Porto Digital
Contax e Provider abrem as portas para a entrada do setor na organização de PE

Provider aprimora gestão de negócios
Grupo adota software de CRM para unificar as informações dos clientes
 
Provider entrará para Bovespa Mais
Objetivo da empresa pernambucana é faturar R$ 1 bilhão até 2016
 
Grupo Provider entra nas redes sociais
Agência IMA Comunicação desenvolveu o projeto para utilizar as mídias
 
Provider quadriplica operações na Angola
Attendance será levado para mais 210 posições de atendimento do SIAC e mais 90 do INSS
 
Planejamento estratégico
Grupo Provider traça os planos de crescimento para os próximos três anos

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
 
http://callcenter.inf.br/