Não se esqueça de investir nos soft skills
Como usar a tecnologia a favor do desenvolvimento de competências não-técnicas dos colaboradores 11/07/2018 10:16
Autora: Maíra Pimentel

O mundo mudou. O mercado de trabalho também, e muito. Se antes as empresas contavam com suas universidades corporativas para oferecer apenas treinamentos e capacitações técnicas aos seus funcionários, hoje já se sabe que quem não investir e desenvolver as chamadas soft skills em suas equipes perderá grande parte do seu potencial competitivo.

Com novas soluções e ferramentas digitais surgindo a todo momento, as competências essencialmente humanas, as famosas soft skills - que incluem desde empatia e criatividade até trabalho em equipe - tornaram-se indispensáveis para qualquer profissional e empresa. Um estudo das universidades norte-americanas de Boston, Harvard e Michigan, apontou que o desenvolvimento de habilidades como comunicação e capacidade de resolver problemas aumenta a produtividade e a retenção de talentos em 12%. Esse crescimento equivale a um retorno de investimento de mais de 250%.

Mas será que as empresas estão enxergando a importância de investir no desenvolvimento de competências não-técnicas de seus colaboradores?

No Brasil, o investimento anual em treinamentos e desenvolvimentos foi de R$ 788 por colaborador, em 2017, segundo dados da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento. Isso representa um crescimento de 21% em comparação ao ano anterior, porém o valor ainda está muito abaixo de outros países, como os Estados Unidos, onde as empresas investem US$ 1.252, em média, no desenvolvimento de cada funcionário. Com recursos enxutos na área de desenvolvimento, um dos principais desafios do mercado atual é entender por onde começar e como fazer a inserção do aprimoramento dessas habilidades, de forma escalável e com uma avaliação precisa de competências. E para isso, a tecnologia é de grande ajuda.

Escala, rapidez e precisão
No caso das habilidades técnicas, ou hard skills, cursos, especializações ou o diploma são bons indicadores da competência e o nível de conhecimento de uma pessoa sobre área ou um determinado assunto. Mas dificilmente conseguimos verificar o potencial criativo de um funcionário, por exemplo, em uma entrevista ou em uma conversa, porque as soft skills só podem ser avaliadas quando colocadas em prática.

É claro que, manualmente, é possível estabelecer patamares e metas para determinadas habilidades, e, a partir disso, comparar como o indivíduo estava no ponto inicial e no momento atual. Porém, além de ser um processo difícil de ser escalável, ele também fica limitado ao olhar de um único avaliador.

Já em uma plataforma digital esse monitoramento pode ser ampliado e calibrado. Ao incluir as informações dos profissionais participantes em um mesmo sistema, fica fácil acompanhar diferentes indicadores, e até mesmo integrar metas de equipe e pessoais à avaliação de competências, uma vez que certas experiências e vivências na rotina corporativa são oportunidades para verificar como o indivíduo está performando. Se manualmente, a avaliação fica à mercê do ponto de vista de uma única pessoa, com a tecnologia pode-se aplicar diferentes variáveis para enriquecer o resultado final, além de ser possível incluir etapas de feedback em momentos diversos ao longo do percurso de aprendizagem.

O diferencial ao usar a tecnologia, aliada a uma completa régua de proficiência e conteúdo de qualidade, é que a análise fica mais precisa, contribuindo diretamente para a tomada de decisão em relação ao desempenho da equipe ou de cada indivíduo. Com uma avaliação completa e assertiva da curva de desenvolvimento das habilidades, é possível ter o melhor cenário: colaboradores motivados e mais preparados para os novos desafios e a capacidade de demonstrar, com números e indicadores reais, os resultados alcançados frente ao investimento feito inicialmente.

Maíra Pimentel é cofundadora e diretora da Tamboro.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
 
http://callcenter.inf.br/