Design Thinking no RH é uma realidade
O caminho aumentar engajamento dos funcionários e produtividade corporativa 28/03/2018 10:19
Autor: Marco Ornellas

A consultoria Deloitte divulgou, em 2017, o estudo intitulado "Tendências do Capital Humano", no qual o tema Design Thinking recebeu uma atenção especial como uma das tendências de RH. E no decorrer do ano passado realmente comprovamos que a tendência se tornou realidade, com o Design Thinking ganhando importância e, principalmente, aplicação nas práticas de gestão de pessoas.

Porém, enquanto a Deloitte define o Design Thinking como o caminho para o gestor de RH se tornar um "arquiteto experiente", prefiro dizer que Design Thinking está inserido no caminho do novo papel do gestor de RH: "Designer Organizacional", que é o profissional com posicionamento mais assertivo para ampliar as competências organizacionais da equipe de trabalho para redesenhar planos, investimentos e outros fatores fundamentais à realização da estratégia corporativa.

Por meio do Design Thinking, o gestor moderniza o ambiente de trabalho ao "pensar" as ações com base na experiência dos funcionários para evitar estresse ou frustração individual, de modo a criar uma situação contrária - a de satisfação na experiência de trabalho a partir do momento que cada um tem conhecimento da sua importância e seu valor para a empresa.

Como consequência à satisfação, aparecem o engajamento e o crescimento de produtividade. É nesse cenário que surgem os benefícios do Design Thinking para a empresa, como a possibilidade de reunir os funcionários em grupos com base em suas atitudes e necessidades (sob os aspectos físico e emocional), além de diminuir a rotatividade de mão de obra, promover maior alinhamento com a execução do plano de negócios e oferecer melhor experiência aos clientes.

Por esses motivos, o Design Thinking é considerado um método ágil e interativo que gera ideias inovadoras de forma rápida para impactar positivamente todos os aspectos da gestão empresarial (processos, políticas, sistemas, serviços e até mesmo tecnologias) por meio de novos processos internos, técnicas de avaliação (como brainstorming, por exemplo) ou adoção de ferramentas digitais, entre outras possíveis soluções que sejam relevantes, implementáveis tecnicamente e viáveis financeiramente.

A coerência é outra característica dominante no conceito de Design Thinking, que facilita a descobertas das respostas para diversas perguntas. As respostas permitem a "união dos pontos" nesta relação por meio da criação de um "círculo virtuoso", o qual amplia horizontes e perspectivas sobre as questões tratadas com os funcionários.

Por fim, podemos dizer que Design Thinking como uma das premissas do Designer Organizacional é a melhor forma do RH sair do modo processual de atuação para o modo humanizado de atuação, pois tem tripla utilidade: compreender, entender e aprofundar a realidade dos funcionários.

Marco Ornellas é coach e membro da ICF - International Coaching Federation. Há 25 anos, é consultor em desenvolvimento organizacional com foco em RH.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
 
http://callcenter.inf.br/