| Terça-Feira - 25/07/2017
Pesquisar: busca:
O que é preciso para ser um bom líder?
Seis sinais importantes do que é necessário para alcançar o sucesso na carreira 09/05/2017 08:48
» Valeria Porto
Autor: Valeria Porto

Nem todos conseguem chegar no mais alto cargo dentro de uma corporação. Nem mesmo aqueles que, a princípio, reúnem as condições e as características necessárias para atingir o topo da carreira. Como diretora de RH há mais de 20 anos, tendo passado por algumas das mais respeitadas corporações em distintos segmentos, convivi com muitos altos executivos e aprendi alguns sinais importantes do que é preciso para alcançar o sucesso.

Seis desses sinais merecem a sua reflexão.

Ter visão de longo alcance. O candidato a líder precisa aperfeiçoar sua capacidade de antever cenários. Ele deve ser capaz de vislumbrar muitas jogadas à frente e se preparar para fazer os movimentos certos nas horas certas. No mundo corporativo, isso significa manter a mente focada em objetivos claros e, principalmente, ser pragmático. Sonhar, no caso dos líderes, não é um defeito, mas o sonho precisa encontrar pontos de apoio na realidade para ter chance de dar certo.

Ser receptivo e aceitar o contraditório. E aqui falo sobre ser receptivo até mesmo (ou principalmente) a ideias que contrariem frontalmente seus ideais mais atávicos. Acredite, pode-se aprender muito com uma opinião diferente, mas aceitá-la nem sempre é fácil. O candidato a líder tem de entender que a pluralidade de opiniões é o que ajuda a formar a rede de proteção para qualquer iniciativa empresarial. Outra dica: conheça os vários setores da empresa em que você trabalha - e, mais do que isso, entenda a importância que cada área tem no cotidiano da corporação. Você já deve ter ouvido a frase "nenhum homem é uma ilha", de um certo John Donne. Pois ela valia na Inglaterra do século 16, está mais atual do que nunca e deve ser um mantra para qualquer executivo.

Aceitar críticas e reconhecer erros. Essa característica é parte fundamental do que se acostumou chamar de inteligência emocional (e demonstra, antes de mais nada, humildade diante da própria imperfeição). O mais importante é que, apesar do que você possa já ter lido ou ouvido da boca de muitos pseudogurus que pululam por aí, demonstrações genuínas de humildade aproximam as pessoas, sensibilizam, geram empatia e não, não são sinônimas de fraqueza.

Ser capaz de tomar decisões sob pressão. Lembre-se: o ônus de se tornar líder em uma empresa são as responsabilidades inerentes ao cargo. Se já ouviu a frase "a liderança, muitas vezes, é solitária", saiba que isso é a mais pura verdade, principalmente quando estamos diante de um momento de decisão. Por mais que reunamos todas as informações possíveis e tenhamos discutido o tema com todos à nossa volta, a responsabilidade pela decisão é prerrogativa do cargo e não pode ser terceirizada. Para completar o quadro, prepare-se para a pressão, que virá, literalmente, de todos os lados, de todos os stakeholders. Neste caso em particular, só a experiência adquirida em momentos análogos é capaz de preparar um executivo para o desafio de liderar uma corporação.

Conseguir tirar o melhor de seus comandados. Jack Welch, eterno CEO da GE, costumava dizer (e escreveu muito a respeito) que "um líder não é alguém a quem foi dada uma coroa, mas a quem foi dada a responsabilidade de fazer sobressair o melhor que há nos outros". Este é mais um mantra que o candidato a líder deve seguir diariamente. A melhor maneira de atingir esse objetivo? Inspirando pelas ações, cumprindo as promessas feitas, conquistando credibilidade diariamente e premiando quem deve ser premiado - aliás, o conceito de meritocracia deve perpassar todos os níveis da hierarquia.

Cercar-se dos melhores profissionais. Para encerrar, o ensinamento de um ícone da indústria norte-americana, Lee Iacocca, ex-presidente da Ford e da Chrysler: "Sempre contratei pessoas mais inteligentes do que eu, porque acredito que algumas das melhores ideias e iniciativas vêm de baixo para cima dentro de qualquer corporação".

Precisa dizer mais?

Valeria Porto é diretora de RH do PayPal para a América Latina.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
 
http://callcenter.inf.br/